domingo, 21 de abril de 2013

Cartas para você

Então, estou com um novo blog. Também sobre amor. Mas com uma dinâmica absolutamente diferente da do Tudo Sobre o Amor. Estou divulgando aqui. Esse é o site: http://cartasparavoce-amor.blogspot.com.br/. Espero que o acessem, que participem da dinâmica, e que principalmente, se identifiquem com as cartas. Agradeço a todos que acompanharam esse blog. Foi uma grande experiência. Cresci e amadureci minha escrita, também, por causa dele. Um grande beijo aos leitores e os espero no novo blog.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Por tempo indeterminado

Queridos leitores, sinto informar que por tempo indeterminado não farei mais postagens no blog. Contudo, não vou apagá-lo por duas razões: pelos textos que eu escrevi, durante esses dois anos de blog, com todo o meu coração tentando ajudar as pessoas; e porque isto não está sendo um término, mas sim um tempo, haha. Espero tê-los ajudado, e se isso não aconteceu, pelo menos eu tentei. Um grande abraço, e espero logo logo estar reativando o blog. :D

Natássia 

terça-feira, 6 de março de 2012

"Deixa acontecer naturalmente..."


Construir uma história linda de amor não é nada fácil, nada mesmo. Mas eu acredito que no decorrer de nossa vida, estamos sempre tentando começar uma, à procura dela, às vezes até iniciamos, mas que por empecilhos impostos pela própria vida, não há como desenvolvê-la.
São tantas as formas em que esses empecilhos se manifestam, que a gente pára para pensar, e conclui: foi melhor assim. Quantas vezes você foi afim de alguém, e essa pessoa não pôde estar ao seu lado? E quantas vezes você percebeu que foi melhor nada ter acontecido? Mas esses casos não são isolados, muito menos raros, eles simplesmente acontecem sem escolher uma vítima.
Amar uma pessoa e ela ter que ir embora para longe de você. Ou amar alguém e esse alguém amar outra pessoa, causando-lhe sentimentos de impotência. Ou ser amado por alguém, e não conseguir corresponder a tal sentimento. Todos essas formas de impossibilidades estão presentes, e não porque queremos, mas porque como somos seres vivos e possuidores de sentimentos, estamos sujeitos a tudo, encaixando-se neste "tudo" o melhor ou o pior.
Bom, parar de sonhar como uma linda história de amor não é a melhor solução. Mas assim como há uma constância nos problemas, há uma constância em suas soluções, não facilmente encontradas, contudo, desde quando a palavra "problema" lembra a palavra "fácil" a você?
Então, como eu ia "dizendo" antes... Não acho uma boa ideia desacreditar que é possível encontrar alguém e construir com essa pessoa uma história. Todavia, sair procurando e escolher qualquer um com certeza também não é a melhor opção. Procurar não, acontecer sim.
De que importa você achar uma pessoa e fazer dela o seu amor - impossível -, aos 20 anos? Nada. Agora conhecer, se apaixonar pelas qualidades e defeitos, e ter razões pra construir a tal desejada história de amor, aos 40 anos, é muito melhor. Talvez você não tenha entendido a minha comparação. O que quis dizer foi que o tempo não é com o que você deve se importar... Pode passar o tempo que for necessário, forçar um sentimento não é legal, prazeroso, e nem vai lhe trazer o conforto que você tanto procure. É preferível que você espere e deixe que aconteça naturalmente, mesmo que demore mais um pouco.
Resumindo, para que você consiga escrever uma verdadeira e linda história de amor, você não vai precisar procurar a pessoa certa, ela vai aparecer. Como a música mesmo diz "deixa acontecer naturalmente...".

Natássia Portela

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Quando você ama...


video



Quando você ama e sente que deve estar sempre por perto dele(a), para protegê-lo(a) de qualquer coisa. Ou simplesmente para olhá-lo, e sentir o que há de mais bonito dentro de você, aquele sentimento mais belo, mais confortável, mais precioso... Aquele que você sabe que deve cuidar, para que jamais possa perdê-lo. Não há como dizer que o amor não existe quando você olha para ele(a) seja da forma que for, olhando ele na sua frente, ou simplesmente fechando os olhos e vendo aquela figura estonteante que já está fixada na sua mente.

Quando você ama e vê que depende dele(a) mais do que já imaginou depender de alguém. Não depende dele(a) para viver, mas depende dele(a) para ser feliz. A cada minuto da sua vida pensando nele(a) faz com que a sua respiração melhore, seus lábios se abrem formando um sorriso, a sua mão pousa em cima de seu peito esquerdo, tocando o seu coração. Um simples pensamento é capaz de fazer você o mais feliz possível. Nada que aconteça apagará o que você sente por ele(a), apesar de não ser um sentimento eterno, ele será eternizado na sua vida, e em suas lembranças. Nas suas melhores lembranças, vale ressaltar.

Por fim, enquanto você ama e se sente feliz assim, não haverá mais nada capaz de sobrepujar a sua felicidade por outro, a não ser esse, sentimento.



Natássia

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

"É preciso amar..."




Eu estava assistindo ao último episódio de uma série de televisão, e numa cena em especial uma das personagens disse duas coisas que chamaram muito a minha atenção. A primeira: "para amar de verdade não é preciso ter a certeza de que é amado". A segunda: "eu sou apaixonada por você, e não pelo seu amor". Essas frases chamaram a minha atenção pelo fato de eu estar completamente apaixonada por um homem, e apesar de saber que o mesmo não acontece com ele em relação a mim, os sentimentos que tenho não são alterados por causa disso.

Eu o amo, e isso independe do fato de ele me corresponder ou não. A partir do momento que convivo com esse sentimento, e sou feliz com isso, creio eu que não existem, pelo menos até agora, motivos para que eu o esqueça. Aliás, motivos existem sim. Mas como nenhum de nós, ou até mesmo os envolvidos na situação, estão ou serão prejudicados, eles se tornam inválidos.

Eu pensei seriamente em esquecê-lo. Mas eu acho que isso deve acontecer naturalmente, como todas as outras coisas. Se eu não quero, se o sentimento que tenho por ele não se desgastou e nem me faz mal, nem a mais ninguém, para que pensar ou tentar esquecer? Digo, é tão bom quando amamos alguém, claro que é muito melhor quando somos correspondidos, mas se não há um sofrimento ligado a este sentimento para que pensar nisso? Esse amor não me faz mal, muito pelo contrário, adoro sentir amor, e adoro saber que é por uma pessoa tão especial como ele que eu sinto isso! Ele é tão estupidamente benígno a minha pessoa, e de modo indireto, sem ao menos desconfiar... E isso torna esse sentimento, sei lá, mais misterioso. E quanto mais mistério há, mais fundo eu vou, desvendando-o um pouco todos os dias. Dias esses que me dão uma alegria tão grande de amá-lo. Quando o vejo caminhar, mexer nos cabelos, brincar com crianças, jogar futsal, ou fazer as coisas simples da vida...

Então, eu dedico esse texto às pessoas que pensam em desistir de um amor... Quando realmente amamos uma pessoa, é preciso que haja reais motivos para tentarmos esquecâ-la, e, principalmente, do amor que sentimos por ela. Desistir de quem amamos não é uma tarefa fácil, e isso só deve ser feito quando existir necessidade, porque, caso contrário, você corre o risco de cometer um grande equívoco.





Natássia

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

"Mais pra frente todos irão nos ver casados."

É uma frase dele, e infelizmente, ele não estava se referindo a mim.

Eu posso ler coisas do tipo e pensar: "tenho que esquecê-lo, isso não está certo, não posso e nem tenho o direito de amar uma pessoa assim - que não me conhece, não me ama, mas ama a outra e está noivo dela". Mas quando eu chego de manhã na escola e bate o sinal do primeiro recreio, meu coração simplesmente despara e eu torço para olhá-lo, ou melhor, minhas pernas param para olhá-lo - pela janela -, e os meus olhos esperam, o tempo que for, aquele carro fofo chegar. Mas quando isso não acontece - e são raras às vezes -, eu tenho a sensação de ter perdido meu dia. Ou melhor, sem sensações... Eu apenas perco.

Apesar dos obstáculos serem os mais travessos e cruéis possíveis, a vontade de esquecê-lo é nula, eu diria até mais, a força de vontade para esquecê-lo é assim, nula. Não existe... E eu o amo tanto, tanto, mas eu sei que não deveria. O problema - não para mim, mas sim para minha consciência - é que eu apenas não consigo. Eu não consigo parar de amá-lo.





Por Natássia Portela.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Certos detalhes...

Ontem, eu estava na academia, e eu vi a lua. Só que ela estava anormalmente linda, de um modo como eu jamais havia visto antes. Talvez até tenha visto, mas nunca tinha tido a sensação que eu tive. Eu queria ele comigo, eu queria viver aquele momento com ele. Parece idiotice, e talvez até seja mesmo. Pode ser caretice, e talvez até seja mesmo. Mas quem disse que eu me importo? Eu só sei que eu queria ele comigo. Queria nós dois juntos, abraçados, olhando aquela imagem. Mas é pedir demais não é!? É pedir demais que o homem que eu amo me ame de volta, e por isso não acontecer, eu tenho de viver em minhas ilusões, fora de minha realidade. São coisas assim que fazem a gente repensar no que se passa na nossa vida? E que já está na hora de mudar? Talvez sim, talvez não. Eu só sei que a invencível barreira que há entre ele e eu está começando a me fazer sofrer. Isso não é bom.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Nossa canção...






"Eu ouvi dizer que você está estabilizado

Que você encontrou uma garota e está casado agora

Eu ouvi dizer que seus sonhos tornaram-se realidade

Acho que ela lhe deu coisas que eu não dei


[...]

Eu odeio aparecer do nada sem ser convidada

Mas não pude ficar longe, eu não consegui evitar

Eu tinha esperança que você visse o meu rosto

E se lembraria que para mim não terminou


Deixe pra lá, eu vou encontrar alguém como você

Eu não desejo nada além do melhor pra vocês dois

Não se esqueça de mim, eu imploro

Eu me lembro de você dizer:

'Às vezes o amor dura, mas às vezes, fere em vez disso'


Você saberia como o tempo voa

Ontem foi o momento de nossas vidas

[...]

Unidos pela surpresa dos nossos dias de glória


[...]

Nada se compara, nenhuma precupação ou cuidado

Arrependimentos ou feitos

São feitos de memória!

Quem poderia ter advinhado o gosto amargo que isso teria?


Deixe pra lá, eu encontrarei alguém como você

Eu não desejo nada além do melhor para vocês...

Não se esqueça de mim, eu imploro

Eu me lembro de você dizer:

'Às vezes o amor dura, mas às vezes, ele fere em vez disso.'"

sábado, 15 de outubro de 2011

Como o amor é lindo...





É como se cada segundo que passasse, eu me imaginasse ao lado dele, nós dois juntos, vivendo uma vida só nossa. O problema é que isso está presente apenas na minha cabeça e no meu coração ( ou seja , minha imaginação ). Fora de mim ou dentro de uma realidade? Passa longe! Ou melhor, nem passa. Haha. Na verdade, eu nem considero isso um problema, pois como eu faço questão de ressaltar em todos os posts que eu faço sobre ele: só de tê-lo em minha vida, da forma ou da maneira que for, eu me sinto mais feliz. Apesar de todos os obstáculos, eu não desacredito no amor. Eu simplesmente não consigo. Amo amar. E eu amo isso.

O amor, no geral ( digo, em todas maneiras como ele é manifestado ), nos traz, ou pelo menos para mim, mais força, mais confiança, mais felicidade. E o ser humano, precisa disso mesmo, precisa se sentir forte, confiante, precisamos encontrar a nossa felicidade. É por isso que sou tão grata ao amor... Passar por muitos problemas, me estressar, tudo isso desaparece por causa do amor, do meu amor ( entenda como quiser ). Ai, como o amor é lindo.

São muitos os que desacreditam no amor, sejam por desilusões com o(a) amado(a) ou por qualquer outro motivo. Mas eu acredito que se existem realmente pessoas que desacreditam no amor, é porque elas ainda não o tiveram de verdade. Um exemplo: eu. Até hoje nunca encontrei uma pessoa que eu amasse, e que me amasse também. Azar? Talvez. E por isso eu desacredito no amor? Não mesmo. Acredito que quem realmente conhece o amor, jamais seria capaz de desacreditar nele.

Lá se vai um trecho de um texto que eu estava lendo, e eu achei tão lindo, que achei legal pôr aqui:


"[...] O fato é que o amor em si é uma loucura. Afinal não é coincidência demais que, a pessoa da sua vida, apareça justo na sua vida? Quero dizer, com tantos outros bares para ela ir, tantas outras locadoras, tantos outros supermecados ou academias, a tal 'pessoa certa' decide ir justo à quitanda do seu bairro comprar amoras às 08h 30min da manhã de um sábado que você, por pura coincidência, foi comprar cebola para fazer creme acebolado para o seu sobrinho. [...]. Isso não é coincidência meu caro, isso chama destino. Ah, então você deve estar pensando: 'lá vem de novo aquele clichê tão batidinho do destino'. Ah sim, lá vem ele de novo. Eu acredito em destino, e esta tem sido uma das minhas mais fervorosas crenças. Digamos que uma de minhas respostas prediletas a tudo (e também o objeto de minha esperança)." Kathlen Heloise Pfiffer


Sem comentários. Tchau.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

"Quando a gente ama, simplesmente ama."




Indo direto ao ponto...

Por ser um amor platônico, eu tenho que aceitar muita coisa para que o que eu sinto por ele continue existindo sabe? Mas eu faço isso por vontade própria, e eu não me sinto mal por isso. É por isso que eu acho que sentir amor por ele me faz bem, e por causa disso, também, que eu não tento esquecê-lo. É que eu gosto de amá-lo. Porém, como eu havia dito logo no começo, é preciso aceitar muita coisa, é preciso voar, mas com os pés no chão. Um pouco confuso, eu sei. Explicando...

Apesar de fazer planos, de pensar nos nomes dos nossos filhos e como eles serão, de imaginar nós dois andando de mãos dadas por aí, de pensar em várias situações que nós, enquanto casal, passaríamos. Eu sei (eu aceito) que isso jamais irá acontecer, sei que ele nem olha pra mim, e talvez nem sabe que eu existo, e se sabe não se importa, não liga. O que eu devo me perguntar é o por que que eu aceito! Se eu me sinto bem, me sinto feliz, mesmo sabendo que nada do que eu fantasio vai se tornar realidade, tenho motivos para aceitar. Mas se eu fico triste, me sinto infeliz, sabendo da verdade, eu não tenho motivos nem para aceitá-la, nem para amá-lo. Algo óbvio, ou (quando estamos apaixonados) não. Ou seja, nessa segunda opção, o melhor que eu tenho a fazer é esquecê-lo, pra me poupar de sofrimentos, estresse, e blá blá blá.

O fato é que, no meu caso, eu me sinto super bem. Adoro, antes (durante e depois, haha) de dormir, imaginar nós dois juntos, felizes. Adoro imaginar como seriam nossos filhos. Como seria nossa vida se estivéssemos juntos. E eu sei que ele faz tudo isso com a namorada ou noiva, eu sei que ele ama a outra, que ele vai casar (eca) com ela, que vai ter filhos, enfim, fazer tudo aquilo, que eu gostaria que fosse comigo, mas com ela. De vez enquando, eu sinto aquela raivinha e bate aquele ciuminho, mas nada que me estresse ou me deixe triste. É um amor platônico oras... Se ele retribuísse não seria não é!? Mas eu só sei que quando a gente ama, seja de qualquer forma, amor de pai e filho, de homem e mulher, a gente aceita um monte de coisa, indo estas das mais bobas às mais insanas e bizarras. A gente simplesmente aceita.


Fim.







Someone like you - Adele.